O consumidor virou o centro da logística

Por Aurélien Jacomy para o Portal DCI
By 17 de maio de 2017Imprensa

Supermercados são espaços democráticos. Foram os primeiros a mudar o papel do consumidor na cadeia de abastecimento com o livre serviço, em que o cliente se serve na prateleira em vez de ser atendido por um vendedor. Agora, com o e-commerce, estão prestes a se reinventarem para sobreviverem em um cenário onde o cliente não é mais destino, e sim um ator que influencia a logística do varejo.

Antes, o consumidor era cliente da cadeia de suprimentos. Nesse sistema, áreas de abastecimento veem as lojas como seus clientes, cabendo a Consultoria em Supply Chain atuar como ponte entre fornecedores e lojas. Todo o contato com o cliente é feito pela loja e vendedores. O ponto de entrada da mercadoria é o centro de distribuição.

O e-commerce mudou as fronteiras. Hoje, a Consultoria em Supply Chain está em contato direto com o cliente e a qualidade das entregas reflete em sua satisfação. A velocidade da entrega, ou a facilidade de retorno, são pontos avaliados como importantes pelos consumidores.

Ainda assim, permanecem em atividade modelos em que o cliente é apenas o destino da mercadoria. Com o “omnicanal”, o cliente entra de fato na cadeia de abastecimento.

Para um supermercado, a pergunta não é mais saber como abastecer a loja, mas entender onde o cliente irá consumir o produto, como irá comprá-lo e, finalmente, qual a melhor forma para que o produto chegue até seu destino?

O e-commerce propôs um serviço diferente da experiência usual de compras. Mas o que observamos é que as duas tendências se desenvolvem em paralelo, diversificando a escolha do cliente. O resultado é que este se envolve cada vez mais nos processos logísticos, ao influenciar e alimentar diferentes formas de consumo: do picking (livre serviço nos lineares), o self check-out (compre online e retire na loja), até o social picking (um cliente separa o pedido de outro cliente, enquanto faz as próprias compras).

O consumidor participa também da gestão dos fluxos. A coleta de informações se multiplica por meio de redes sociais e permite melhorar a previsão da demanda, ou mesmo sugerir um pedido para um determinado cliente. Em resumo, empresas precisam integrar o cliente nos seus projetos de Supply Chains, e considerá-lo ator logístico consciente, além de fonte de informação na tomada de decisão.

sócio-fundador da consultoria Diagma no Brasil

10 Dicas para melhorar o desempenho do seu
centro de distribuição





×

8 Dicas para melhorar a sua previsão de demanda




×

10 Dicas para otimizar seu estoque
e melhorar o serviço ao cliente




×

10 Dicas para reduzir seu custo de frete




×

10 dicas para posicionar os produtos
em seu centro de distribuição




×

8 Dicas para otimizar a sua necessidade de capital de giro




×

10 dicas para aplicar a metodologia
ágil em seus projetos de Supply Chain





×

A chegada da Supply Chain digital




×

As oportunidades para Supply Chain ainda são enormes




×

Apesar de a era digital estar cada vez mais consolidada




×

Material Ecommerce




×

Previsão de demanda




×

Desenho da rede de distribuição e construção




×

Master data management




×

Aumento da produtividade operacional




×

Implantação do serviço de atendimento ao consumidor




×

Warehouse managament system - WMS




×

Transformar a logística interna das lojas




×

Desenho da rede de distribuição




×

Transformar e adaptar a Supply Chain




×

Desenho do centro de distribuição




×

Terceirização das operações logísticas




×

ME B2B Summit - Sustentabilidade em Compras




×
SSL Encrypted Copyright © 2019 Todos os direitos reservados.